“Como a gente era feliz e não sabia. Dilma lá, não fariam isso, não. As indústrias  de bebida tentaram muito quando ela era presidente. Não  fez. Ela chamou as indústrias e negociou com as indústria. E nunca ouvimos burburinho nenhum. Porque era um governo que tinha um compromisso com o desenvolvimento regional também”, declarou a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB) sobre os ataques que o Governo Federal tem feito à Zona Franca de Manaus na gestão de Michel Temer (MDB).

Sem retaguarda

Vanessa tem lembrado constantemente que a bancada do  Amazonas  que, em maioria, apoiou a chegada de Michel Temer ao poder  e votou para impedir que ele fosse investigado não tem sido atendida pelo Planalto nos apelos em prol do Polo Industrial de Manaus (PIM).

 

Diferentes

“Somos 11 parlamentares. Nós só nos juntamos com a questão da Zona Franca. Em mais nada a gente se junta”, declarou ao responder sobre a defesa que os três senadores fizeram na semana passada na CCJ do Senado sobre o decreto que pode derrubar o ataque do Governo Michel Temer ao polo de concentrados da Zona Franca.

 

Girassóis

Vanessa lembrou que a maioria da bancada que era aliada do governo PT abandonou o barco quando o comando do País trocou de partido. Ela permaneceu na defesa dos governos petistas.

“Eu lembro que em 2014, até 2015, nossa, era Lula querido para cá, Dilma  querida para lá. Todo mundo junto, né? Aí, pronto. Depois, eu fiquei sozinha. Eu fui a única a ficar do lado. Me chamavam e diziam: ‘Nossa, o povo é contra ela’.  E eu dizia: ‘Mas o povo vai ver. Eu tenho obrigação. Eu estou  para fazer o que é certo e mostrar para as pessoas o que está acontecendo”, disse.