De acordo com o Ministério da Saúde, em balanço divulgado hoje, dia 10, de 106 vagas que o programa Mais Médicos ainda tem a preencher, 86 são no estado do Amazonas.

O programa contratou 8.411 (98,7%) das 8.517 vagas ofertadas no último edital, mas não houve interesse dos profissionais em servir em 29 localidades no Amazonas, Amapá e Pará. Nova convocação será feita.

Dessas vagas não preenchidas, 63 estão em distritos sanitários especiais indígenas, sendo 22 no alto rio Solimões e 11 no alto rio Negro, localidades amazonenses.

Na próxima segunda-feira, dia 17, o governo fará novo balanço das vagas disponíveis, incluindo a soma das desistências verificadas até dia 14 e as vagas para as quais não houve inscritos.

Nos dias 18 e 19, os médicos com registro no país terão mais uma chance para escolher vagas nos municípios que ainda estiverem disponíveis.

O ministério disse que serão feitas novas chamadas até que se complete o quadro de vagas do programa.

A partir do dia 20, médicos brasileiros sem registro no país poderão se inscrever para as vagas disponíveis. No dia 26, as vagas remanescentes serão abertas também aos estrangeiros formados no exterior.

 

Leia mais

Mais Médicos no AM: interior sofre com desistências e propostas indecentes

 

Quanto ganham os médicos

Os profissionais do Mais Médicos ganham R$ 11,8 mil de bolsa-formação e recebem ajuda de custo inicial entre R$ 10 mil e R$ 35 mil para deslocamento ao município em que vão trabalhar.

Além disso, todos têm moradia e alimentação custeadas pelas prefeituras.

Desde o ano passado, a bolsa dos médicos participantes é reajustada anualmente. Os profissionais também receberam um acréscimo de 10% no valor dos auxílios para moradia e alimentação os alocados em distritos indígenas.

Fonte: Agência Brasil

 

Foto: Divulgação/Prefeitura de Suzano (SP)/Reprodução da Agência Brasil