por Neuton Corrêa, da Redação

 

Um mês após ser nomeado ao cargo e desafiar a Bancada Federal do Amazonas, no Congresso, o superintendente da Zona Franca de Manaus (Suframa), Alfredo Menezes (PSL), se encontrou pela primeira vez com o bloco, que estava completo, no fim da manhã desta quarta-feira, dia 13, com oito deputados federais e três senadores, para recebê-lo em Brasília.

 

Leia mais

Novo chefe da Suframa e bancada federal se encaram na quarta-feira

Sem a bancada, Menezes anuncia visita de Bolsonaro a Manaus

“Presidente me deu autonomia para nomear”, diz novo chefe da Suframa

Novo chefe da Suframa despreza prazos e pompa e assume posto

 

O encontro, como já se esperava nos bastidores, começou tenso, com os parlamentares dizendo textualmente para o coronel da reserva, nomeado à chefia da autarquia sem consulta à bancada e por sua relação de amizade com o presidente Jair Bolsonaro (PSL), que ele deveria se sentar ali esquecendo a condição de militar.

“Menezes, esqueça que você é coronel. Aqui, você é superintendente da Zona Franca”, disse o senador Omar Aziz (PSD), coordenador da bancada, na abertura do encontro, segundo relato de outros congressistas.

Na sequência, o senador Plínio Valério (PSDB) disse-lhe:

“Coronel, isso aqui não é um quartel”.

Após as alfinetadas, o superintendente e os parlamentares seguiram o encontro afinando o discurso pelo fortalecimento da Zona Franca de Manaus em três pontos:

1) Defesa da volta da análise dos processos produtivos básicos (PPBs) para a reunião do Conselho de Desenvolvimento da Suframa (CAS), como ocorria até o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB);

2) Descontingenciamento das verbas de taxas da Zona Franca de Manaus, que desde de FHC são retidas pelo governo federal; e

3) Garantia de segurança jurídica do modelo.

O último ponto, embora seja o mais genérico, é o que mais está direcionado ao presidente da República, porque mostra o receio das autoridades amazonenses com atos próprios de Jair Bolsonaro, que não passam pela análise do Congresso.

Esses são os casos dos decretos, como o que ocorreu no fim de abril de 2018 com o ato do ex-presidente Michel Temer (MDB), que tirou a competitividade do polo de concentrados do Polo Industrial de Manaus.

Com o clima bem diferente do começo da reunião, deputados, senadores e o superintendente da Suframa encerraram a conversa deixando claros que estão unidos pela Zona Franca de Manaus.

Ouvidos pelo BNC AMAZONAS, os deputados Bosco Saraiva (SD) e Marcelo Ramos (PR) consideraram a reunião muito boa e serviu para fincar posição do Amazonas para as futuras negociações e embates em Brasília.

 

Foto: Divulgação