Israel Conte, da redação

 

O governador Wilson Lima (PSC) garantiu nesta segunda-feira, dia 15, o pagamento da data-base, no valor aproximado de 4%, aos servidores da educação.

“Eu não posso fazer nada além disso, pois a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) não me permite”, disse o governador, que participou nesta manhã do início das cirurgias eletivas no Hospital Delphina Aziz.

Wilson lembrou ainda que cumpriu em janeiro o pagamento de 9,38% de reajuste, oriundo do governo de Amazonino Mendes (PDT).

Confira o VÍDEO.

 

Greve começa

Ao mesmo tempo em que Wilson falava, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) e o Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus (Asprom) começavam a greve no Centro de Manaus. 

Os trabalhadores rejeitam os 3,93% oferecidos e reivindicam 15% de reajuste salarial. O secretário de Educação (Seduc), Luiz Castro (Rede), que conduziu quatro reuniões mas não conseguiu evitar o movimento paredista sustentou, em coletiva de imprensa na semana passada, que os 3,93% cobrem a inflação dos últimos 12 meses e será paga em abril.

 

Ilegal

Em decisão, tomada em caráter de urgência, o desembargador do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) Elci Simões de Oliveira, suspendeu a greve coordenada pelo Sinteam. A multa diária por descumprimento é de R$ 100 mil.

Além disso, os professores que aderirem ao movimento poderão ter suas remunerações descontadas em contracheque.

Para o magistrado, os professores não possuem direito constitucional à greve por causa do trabalho essencial que prestam.

Apesar da decisão da Justiça, Wilson disse que o estado continua aberto a conversar com os professores e evitar que o movimento se prolongue.

 

Foto: BNC