Os militares querem ficar de fora da reforma geral da Previdência e sugerem manter regras diferenciadas aposentadoria para as Forças Armadas. Foi o que ressaltou, nesta quarta-feira (9), o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, na cerimônia de transmissão de cargo do Comando da Marinha.

Azevedo e Silva ressaltou que a reforma da Previdência deve avaliar regras diferenciadas para militares. As informações são da Agência Brasil.

A solenidade, no Clube Naval de Brasília, contou com a presença do presidente Jair Bolsonaro, que chegou ao local a bordo da lancha Amazônia.

Seguindo o protocolo, o presidente não discursou.

Azevedo mencionou a reforma da Previdência ao se despedir do ex-comandante, o almirante de esquadra Eduardo Bacellar Ferreira, que passou o comando para o também almirante de esquadra Ilques Barbosa Junior.

“[Ferreira] foi incansável no esforço de comunicar as peculiaridades da nossa função”, disse Azevedo e Silva.

Segundo o ministro, o esforço garantiu avançar para um adequado amparo social aos militares das Forças Armadas e seus dependentes.

O ministro da Defesa destacou também a trajetória do militar, lembrando os 48 anos “de extrema dedicação e serviços prestados”.

Desde a posse, Bolsonaro cumpriu pelo menos quatro agendas militares, entre almoços e solenidades.

Na sexta-feira (11), ele participa da transmissão de comando do Exército.

Ao longo de sua campanha, Bolsonaro se comprometeu, em diversas declarações, a prestigiar e dar visibilidade às atividades das Forças Armadas.

 

Foto: José Cruz/ABr