A sede do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília, foi alvo de protesto neste domingo, dia 17, contra a decisão que prevê que casos de corrupção e lavagem de dinheiro, quando investigados junto à prática de caixa 2 (dinheiro não contabilizado) para políticos, sejam julgados pela Justiça Eleitoral.

A manifestação começou por volta das 10h da manhã com cerca de 50 pessoas, que entoavam o Hino Nacional. A estimativa da Polícia Militar é que, apesar da chuva, cerca de 100 pessoas, até as 11h, participavam do ato.

A representante do movimento Vem pra Rua em Brasília, Celina Gonçalves, considera a decisão do STF inadequada. Ela disse temer que a tramitação desse tipo de crime na Justiça Eleitoral fique travada e que os atos prescrevam.

O auditor Júlio Bessa, 54 anos, citou, durante o ato, palavras proferidas pelo ministro Luís Roberto Barroso na última sexta-feira, dia 15, condenando a migração dos crimes para a Justiça Eleitoral.

“Estamos aqui hoje para corroborar esse entendimento do Barroso. O plenário está rachado”, disse, ao fazer referência ao resultado do julgamento, quando seis ministros julgaram a favor do envio dos processos para a Justiça Eleitoral e cinco contra.

O voto do presidente do STF, Dias Toffoli, desempatou a questão.

A manifestação foi organizada por grupos de pessoas, por meio de rede social na internet, e previam atos em várias cidades, entre elas, São Paulo e Rio de Janeiro.

Fonte: Agência Brasil

 

Leia mais

STF deixa com Justiça Federal crime eleitoral da reeleição de Dilma

Lava Jato perde de 6 a 5 no Supremo, que pode libertar 160 condenados

 

Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil