Contribuintes que entraram na Dívida Ativa da União deverão, além de receber cartas e e-mails, ser cobrados por meio do WhatsApp e Facebook. Isso é o que quer o governo Bolsonaro em projeto de lei enviado ao Congresso Nacional.

Ao abrir canais de comunicação digital e também o call center, o governo espera reduzir os custos de cobranças das dívidas e permitir que os devedores regularizem seus débitos o quanto antes, diminuindo a incidência de juros.

Hoje, a dívida de contribuintes com a União chega aos R$ 2 trilhões. Destes, R$ 491 bilhões são só débitos com a Previdência. O restante é de outros tributos e FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).

 

Exemplo privado

Tal como funciona nas empresas privadas, a ideia é que o devedor já consiga parcelar, por meio do próprio meio digital, seu débito.

O governo afirma que a cobrança cumprirá protocolos de segurança para evitar que os contribuintes sejam vítimas de golpes ou fraudes.

O projeto de lei, que integra o pacote da reforma da Previdência, deve ser enviado à Câmara até o começo da semana que vem.

A notícia está publicada na versão impressa desta sexta-feira, dia 15, do jornal Folha de S. Paulo.

 

Foto: Marcos Correa/Presidência da República