O nome do senador Eduardo Braga, do MDB do Amazonas, voltou a ser citado hoje, dia 22, na imprensa nacional como recebedor de propina. A revelação, que não é nova, é reafirmada no âmbito das investigações da operação Lava Jato por quem esteve em reunião que dividiu em 2014 mais de R$ 40 milhões em propina.

Braga foi um dos senadores medebistas que recebeu parte dessa propina em um dos vários encontros que aconteciam na casa oficial do então presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), em Brasília.

O senador do Amazonas era visto à época como capaz de influenciar no estado favoravelmente à reeleição da presidente da República Dilma Rousseff, o que de fato aconteceu. O dinheiro da propina, da qual o senador Eduardo Braga teria recebido R$ 6 milhões, saiu do volume que o grupo J&F havia reservado para ajudar na vitória da petista.

Foi o PT quem ordenou que esse valor fosse pago aos senadores do MDB que ameaçavam se bandear naquela eleição para o lado do adversário de Dilma, o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

 

Leia mais

“Citação na Lava Jato é absurda e falsa”, afirma Braga sobre matéria da Época

 

Quem confirma que o senador Eduardo Braga, investigado na operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF) depois que já tinha sido apontado como recebedor dessa propina, é o ex-presidente da Transpetro/Petrobrás Sérgio Machado.

Segundo Machado, Eduardo Braga recebeu o pagamento da propina na sua frente. Quem pagou a parte do senador pelo Amazonas foi Ricardo Saud, ex-executivo da J&F,

Saud já confirmou à Procuradoria-Geral da República (PGR) e Polícia Federal que o senador Eduardo Braga ganhou os R$ 6 milhões dessa propina.

A notícia de hoje é do site O Antagonista.

 

Leia mais

Investigações sobre Braga na Lava Jato devem continuar no Supremo

Braga rechaça ser chamado de “gordo, cadeirudo e glutão”

 

Foto: BNC Amazonas