O senador amazonense Plínio Valério (PSDB) se incomodou com o discurso do líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), que acusou o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, de estar usando senadores para, por meio da chamada CPI da Lava Toga, brigar com os tribunais superiores, a fim de atender aos interesses do Governo de Jair Bolsonaro (PSL).

“Eu tenho, por norma, senador, assinar CPIs, tirar qualquer projeto que esteja arquivado, qualquer coisa para que tramite. Eu acho que, para tramitar, pode tudo; no mérito, a gente vê outra coisa. Portanto, permita-me discordar só nesse aspecto”, disse Valério, em reposta ao petista nesta sexta.

Para ele, é preciso, de alguma forma, “cutucar” os ministros.

“Tocar neles para que se sintam humanos, para que saibam que não podem tudo – daí, eu concordar com isso”, justificou.

O senador amazonense contribui com as exatas 27 assinaturas necessárias para instalar a CPI.

O objetivo é investigar a conduta dos ministros e a caixa-preta do judiciário.

Plínio Valério disse ainda que na segunda vai apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) limitando os mandatos dos ministros do STF em oito anos.

“Vamos dar o exemplo do ministro Toffoli (presidente do STF, Dias Toffoli), com todo o respeito. Ele tem 51 anos e vai ficar esse tempo todo a mais, até 75 anos”, afirmou.

Leia mais:

CPI da Lava Toga mira cortes do TCE e TJ do Amazonas

 

Foto: Roque de Sá/Agência Senado