Na primeira reunião que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), realiza com líderes partidários, hoje, dia 5, a investigação da fraude na primeira votação de sábado é um dos temas da pauta.

O senador Eduardo Braga, do Amazonas, líder de Renan Calheiros e do MDB, que se retirou do plenário assim que seu candidato desistiu da disputa, e não votou, vai estar nessa reunião que vai tratar da fraude.

Outros temas da pauta de hoje são o plano anticrime do Ministério da Justiça e Segurança Pública e a reforma da previdência.

 

Fraude tinha votos a Renan

A urna tinha 82 votos, quando a casa só tem 81 membros. Dois desses votos não estavam nos envelopes, como os demais. Ambos foram rasgados pelo presidente da sessão, mas antes um cinegrafista registrou que os dois votos eram para o candidato do MDB, Renan Calheiros (AL).

A mesa dos trabalhos da eleição era dirigida por senadores do MDB, José Maranhão (MA) e Fernando Bezerra (PE).

Foi após o cancelamento dessa primeira votação que Renan retirou sua candidatura, quando já estava em pleno andamento a segunda votação, a que elegeu Alcolumbre em primeiro turno.

 

Líder de Bolsonaro pede investigação

Investigação da fraude pedida pelo líder do PSL, senador Major Olímpio (SP), já está em curso pela Corregedoria Parlamentar do Senado.

“Já fiz a solicitação formal. Já reiterei ao novo presidente da casa que nós tenhamos esse conteúdo de imagens, do circuito interno da câmara, bem como eventualmente as imagens da TV Senado. Encareço até aos grupos de comunicação e pessoas que possam ter imagens de momento da votação na urna”, afirmou Olímpio.

Ele disse ainda que a ocorrência de fraude envergonha a eleição para a presidência do Senado, mesmo após a conclusão do pleito.

De acordo com o líder do governo, o caso vai ser encaminhado ao Ministério Público para uma denúncia-crime de quem patrocinou a fraude.

Fonte: Agência Senado

 

Foto: Geraldo Magela/Agência Senado